sábado, 14 de agosto de 2010

Vaidades do tempo


Pode ser dizer que a vida é uma incógnita no tempo e tão passageira como a brisa suave. Traçamos projetos e planejamos a felicidade, baseada em momentaneidades que as próprias circunstancias nos atribui, crescemos na esperança de construir passagens para uma boa vivencia e ate superarmos as nossas fraquezas. Conduzimos a própria vida, na responsabilidade de questionar o que o destino nos conduz e pune através da jornada. Pensamos em dar um sentindo para vida, preenchendo o vazio que nos encontra em períodos de existência ou quando as nossas expectativas não correspondem mais aos nossos objetivos, caímos no esmo da solidão e da angustia permanente, não conseguimos acorda em um único dia que a nossa própria mente se encontra em ordem ou os nossos sentimentos estão aflorados em nossa vida. Acabamos perdendo a motivação para continuar a viver, as folhas das arvores não estão como na adolescência e o tronco da arvore não estão firmes mais para agüentar a tantas tempestades. Como a vida é de passagem, assim também são nossa jornada, curta e complexa de entender. Chegamos a um momento que o choque nos basta para acordamos que não temos mais vigor para correr ao encontro da esperança que nunca se tarda em chegar. 

Movidos por tantos sofrimentos, sentimos que perdemos a inspiração de escrever nas paginas de nossas vidas, tentando arrancar as paginas passadas que lembram amarguras e profundas tristezas, que se encontram envelhecidas pelo tempo. Envelhecer se atribui a limitações físicas que o próprio tempo contribui e não a limitação para fazer de cada dia algo melhor. Nunca é tarde para se viver e muito menos doloroso se ver o relógio em nossos rostos. Buscar Deus pode ser o melhor refugio e o melhor meio de encontra a conformidade da velhice física. Amar a Deus sem sombra de duvida é o melhor remédio para rejuvenescer para te dar fôlego, alegria e sem sobram de duvida VIDA.