segunda-feira, 18 de abril de 2011

Balança da vida.


     O peso da responsabilidade que a vida tem nos colocado, às vezes parece que não vamos conseguir prosseguir nem mais um passo. Pensamos em muitas vezes desistir, de jogar tudo para o alto, desistir de lutar pela sobrevivência e desistir de nossas realizações.  A fadiga é enorme, andamos surrados pelo tempo, que passa tão rapidamente e não vemos resultados de nossos esforços.   Queremos nos entregar totalmente a tristeza, pois não encontramos motivações e inspirações para sobreviver tamanhas as cobranças que a vida nos traz. Às vezes ficamos desarmados e totalmente impotentes, que perdemos em nossos pensamentos e decisões que devemos tomar.
       Sem rumo e sem direção, não sabemos o caminho certo e nem decisões certas que aliviam a pressão que nossa mente encontra-se. Não encontramos nada que nos alivia a alma, achamos que as noitadas livraram de nossas preocupações, mas momentaneamente nos fazem esquecer, pois no raiar do sol, quando encostamos à cabeça no travesseiro a cobrança novamente bate a sua porta. Nossas aventuras não são suficientes para preencher no interior, razões para viver, buscamos em coisas momentâneas, nossas realizações são mínimas, comparada ao tamanho de nossos sonhos. Ficamos ansiosos, nervosos, pois planejamos, planejamos e se quer vemos que nossos pés saíram do lugar. O tempo não permite muito pensar, e muito menos idealizar, ou você toma atitude planejando ou viverá planejando sem atitudes.
       O julgo e extremamente pesado, as cobrança, mínimas que sejam nos fazem sofrer demais, nos cobramos demais, mais que permitimos mais que suportamos. Ficamos melancólicos, estagnados, entediados com os fracassos e voltamos ao passado, os pesadelos que carregamos ao longo de nossa jornada. Qual solução tomar? A vida tem nos cobrado tantas coisas! A cada dia e uma nova roupagem que a sociedade exige; maneiras, comportamentos, tendências, aparências, superficialidades. Vivemos tanto em torno do mundo, dos pensamentos humanos que esquecemos que ficamos doentes, pois não sabemos aliviar nosso estresse, nossa solidão na alma no espírito, ficamos tão carentes de emoções passageiras de circunstancias monótonas que não faz diferença algo novo em nossas vidas. A apatia nos invade, nos fazendo fraco em fé, em auto-estima. Nossos valores que nos impulsionava a prosseguir foram desgastando com os tropeços e muita das vezes a imprudência de tentar ser feliz.
         Às vezes não precisávamos passar por tudo isso em nossas vidas, se aceitássemos Deus em nossas vidas, se tivéssemos prestado atenção em sua voz e prosseguíssemos em seu caminho, as coisas poderiam ser diferentes ou saberíamos como resolve-las; Perdão Senhor, pois muitas vezes buscamos em vão, perdão por nossas ignorâncias de acharmos que sabemos viver a vida, pois não sabemos nem compreende-la, mesmo que sejamos fracos, falhos e ingratos. É no momento da fraqueza que reconhecemos que dependemos de Ti, dos seus preceitos e do julgo que e suave e do seu fardo leve, queremos aprender ser humildes de coração. Estenda-me suas mãos e leva-me ao lugar onde somente o Senhor sabe e mostra-me quem eu sou, pois com tantas cobranças e preocupações que às vezes esquecemos quem somos.