sexta-feira, 23 de abril de 2010

O que você é para Deus?



O que você é para Deus? Já se fez está pergunta para você? Quando se encontrou em momentos difíceis com Deus? Quando a realidade bateu em sua porta? E naquele momento intimo você não teve a oportunidade de perguntar para Deus o que você é para Ele? Às vezes chegamos um momento em nossa jornada, que está pergunta paira em nossa mente. Quando achamos que somos incapazes de não chegarmos aonde Deus quer que você chegue, ou quando as necessidades emocionais falam mais alto. Sentimos tanta falta de sabermos quem somos para Deus, saber o quanto ele nos ama e como nós somos especiais para Deus, quando caminhamos na carência de sabermos a nossa identidade diante de Deus fala mais alto, a insatisfação de sabermos se somos filhos ou não? 

Mais com toda esta avaliação, esquecemos que nossas atitudes falam muito mais que as perguntas sem respostas, quantos de nós não negamos Deus em nossas atitudes ou em pensamentos? Fingindo amar o próximo ou suportar uns aos outros? Quantas vezes desprezamos um ser humano por que ele caiu sem ao menos ter a chance de levantar? Ou pela mesquinharia de insultar o próximo? Será que com estas atitudes poderíamos ser chamado de amigo? Cairmos no profundo arrependimento quando avaliamos como somos infiéis como amigo. Achamos que somos suficientemente bons para acharmos que somos capazes de ser amigos fieis. A nossa sensação que sempre estamos enganamos a nós mesmos e nunca admitimos que Deus sempre foi justo e sempre fiel, que caímos na amargura da incapacidade de não ser verdadeiro amigo e muito menos de ser chamado filho. 

Como um filho ele sempre volta ou quando volta, nunca volta o mesmo, sempre com a sensação de ingratidão em nosso redor. Acabamos não chegando ao Pai da mesma forma, por que, fomos levado aos erros humanos de montar uma imagem do Pai totalmente indiferente do que pensávamos que era, por que não prestamos atenção em nossas atitudes, por que são elas que formula imagens distorcidas em nossa vida, assim também é a imagem construída de Deus, um Pai destruidor, que nos fazer escravo de nós mesmo e nos faz sofredor. Pois com tanto amor não somos feliz de enxergar como Ele tem tanto amo por você, como Ele que ser compreensivo e muito mais do que isso, um amigo. Por que não sentimos que somos filhos, por que não queremos ser compreendido ou muito menos amado, temos o medo de não corresponder da mesma forma ou pelo fato de sempre ter uma chance como filhos e nunca mudar a nossa imagem nunca construir uma nova historia, por que temos medo de soar da boca de Deus a palavra ``EU TE AMO MEU FILHO´´ Um amor , inigualável, imbatível , indestrutível e compreensivo. Que acabamos em um certo momento deitar no colo do Pai, como amigo ou como filho e mostrar o verdadeiro amor, que confia, que se entrega, sem macula sem raiva sem rancor. Tudo isso nos faz amigo e nos faz com mais amor.

Para sermos chamados de amigos ou filho, bastos tentamos ser melhor a cada dia, ser amigáveis uns com os outros, capaz de amar o próximo e compreender da forma que ele evolui no progresso da vida. E para termos a segurança que somos visto por Deus, nada melhor do que AMAR.