sexta-feira, 9 de abril de 2010

Quem sou EU?




O espelho é a melhor forma de vermos como o tempo passa, e as feições também. Nele vemos a velhice física e também do espírito, nele vemos como estamos com o semblante cansado ou desanimado. Ou às vezes paramos para fazermos um balanço de quem somos na frente dele e podemos ter reações de tomar um choque ou não reconhecemos mais a nossa pessoa. Perder a identidade pode não ser a melhor forma de expressar perante o espelho o fracasso, desanimo, angustia e tristeza na alma, tudo isso nos faz perder a identidade de quem somos ou quem poderíamos ser, ele é o primeiro a nos confrontar, quando somos demitidos de um emprego ou quando o relacionamento está desgastado ou quando nos entregamos as circunstanciais da vida. Quando paramos diante dele, ficamos com a sensação de insegurança e medo do futuro. Fazemos dele não mais um lugar para se arrumar para um encontro ou sentirmos mais bonitos, pelo contrario ele te faz o seu próprio inimigo o seu próprio carrasco.

O espelho te acaba trazendo lembranças do passado esquecido, nada melhor também do que um bom amigo, ele esta sempre ali nas horas improváveis e indiscutíveis. Quando a maquiagem não pode ser mais retocada e está simplesmente borrada ou quando as rugas das divergências ou pela luta de sobrevivência começam a aparecer. Claro! Ele sempre está ali, no mesmo lugar nas mesmas horas. É nele que nós cairmos na real do perdão não liberado do amor não correspondido ou da vida sem sentido. O espelho nos traz lembranças e também nos faz crescer e amadurecer. Nada melhor que o relógio da vida em nosso rosto, o espelho, ele é o tempo que nos faz mais vaidosos e mais carentes, ela e capaz de te ensinar a te conhecer e a compreender as suas fraquezas e os limites. Contudo ele é capaz de fazer de você um sucesso quando a imagem que ele transparece fazê-lo de você o maior conhecedor.