quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Eufórica paixão.


   Amava a vida com tanto amor, havia algo dentro de mim que acompanhava minha felicidade de viver de uma forma simples e totalmente disposta a entregar-me a insanidade da paixão. Nunca havia amado ninguém, só havia desembarcado coisas passageiras em minha estação, que não foram o suficiente para desapegar do mundo que fantasiei. Mesmo cheio de fantasias sentia-me feliz, lia muitos romances, contos e filmes que tiravam a carência escondida em meu ser, meu coração vagava pelas ruínas da solidão, tirando minha mente de orbita em criar ilusões que alimentavam minha sede de escrever um romance com as palpitações do meu coração. Fechava os olhos em sinal de insensatez, o medo embolava com a ansiedade de encontrar alguém que pudesse lançar minha sorte, inventando os meus dias, construindo minha jornada.  Ficava perdida, com tanta ilusão que abastava minha alma saliente de tanto amor para dar. 

   Tinha o amor da vida, o descontentamento com a paixão, não sabia diferenciar a vantagem de viver contente e amar perdidamente. Não imaginava um príncipe encantado, mas queria um amado apaixonado, que espontaneamente tirasse o sorriso da minha boca, me fazendo enxergar a completa harmonia entre amar a vida e viver amando. O meu sonho por um instante tornou-se realidade, de tanto que almejava minha graça, concedida foi, pois não sabia esperar em tempo certo. Trombei com os olhos grandes daquele homem alinhado, seu sorriso deixava-me encantada, minhas pernas bambeou quando meu corpo aparou diante de sua formosura, fiquei perplexa de como ele cheirava, seu perfume adocicava minha boca envolvendo-me como o vento, por um instante o mundo parou para mim, não acreditava que o amor tinha tanto poder. Não trocamos palavras, somente os nossos olhares falaram por si próprios. Nem chegamos a trocar telefones, mas tinha a certeza que encontraríamos novamente. Voltei para casa, calada, tive o medo de que minha mente materializasse a irrealidade. Mas a divisão que a duvida fazia em minhas emoções não abatia a certeza de que amei a primeira vista.

   A saudade era latente, rezava para o destino, clamava as coincidências para que o encontrasse novamente. Caminhava pelas ruas a procura daquele homem, mas não via ninguém semelhante, minha tristeza foi aparecendo em meu rosto, à decepção de apostar no destino era mera futilidade; Entrei em um restaurante, sentei e pedi algo para comer, virei o rosto para ouvir a voz grossa daquele homem ao telefone, meus olhos alarmaram, meu coração disparou na velocidade das minhas emoções, fiquei tão eufórica que sentei-me na mesa dele indelicadamente. Ele sorriu, desligando o celular. Depois de muita conversa fomos para minha casa, jantamos e deitamos ao som de uma bela musica. Deitada naquela cama, não acreditava que tinha levado um homem que mal conhecia para dentro de minha casa, ele já havia dormido, eu levantei calmamente, peguei meu diário, escrevi um historia real, pois todas as que eu tinha escrito, foram historias que eu mesma fantasiei, não sabia diferencia o que sentia em minha mente, confusão seria a palavra certa? Não tenho certeza! Apaixonada? Encaixa em minhas palpitações.  

   Falávamos todos os dias, e nunca tínhamos conversado sobre a própria pessoa dele. Nunca achei isso estranho, mas também não era normal. Comecei a viver somente para ele, deixei de viver minha vida. Esqueci completamente o apego que tinha por mim mesma, minhas emoções foram vendidas por tostões da louca paixão. Ele conseguiu desligar-me das pessoas em minha volta, desconectar do mundo lá fora. Não sabia mais a cor do sol, nem o brilho da lua, sentia-me satisfeita com sua presença que aos poucos foram deixando de ser presença e a lembrança foi somente a solidão. Tinha tantos planos escritos, tantas fábulas criadas para que em meses virassem cinzas, tornando cinzentos os meus dias. Um dia, levantei da minha cama, em um estalar de dedos despertou minha alma daquele sonho fundido com pesadelo. Não sabia mais medir as loucuras que fiz. Louca eu? Insana? Mal amada, fique tão agoniada que não sabia o que dizer para a vida, pois deixei de saber por muito tempo o que era viver feliz. Pensei por vários dias que decisão tomar e tomei. Coloquei fogo em meu diário, meus livros, meus filmes, tudo que me lembra amar, rasguei, recordava-me o passado, apaguei, angustiava minha alma, eu abominei, e o homem que eu pensava amar, eu não amei. Expulsei-o da minha vida, mesmo com a confusa paixão, eu não titubeei! 

   Senti como o fôlego da vida trouxesse-me de volta a realidade. A dívida que eu tinha, eu paguei, pagando o preço alto de viver apaixonada. Não sei dizer se quero viver novamente um suposto amor, minhas suposições é omissões a minha vontade de viver. Viverei amando a vida, pois saberei o tempo certo de compreender a graça concedida, quando a oportunidade vier, saberei discernir em continuar vivendo amando ou parando para viver um amor.