segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Jogo do amor


   Baby, conte-me sua sorte, tem sorte no amor? Ou no jogo de azar? Se não souber, vamos jogar o jogo do amor. Sente-se a mesa, jogue suas cartas, tira-as da manga, está valendo a sua alma.  Vamos ver sua sorte, colocarei as minhas cartas marcadas, deixarei que seu caminho seja decidido por suas estratégias ou pela sua mera sorte. Levarei você à loucura como na roleta russa, seus blefes em dizer que me ama que me adora, já saquei! Você está mesmo disposta a jogar. Surpreenda-me com o seu jogo, coloque-me no bolso, faça-me o seu pato, o seu escravo, desafie-me com suas jogadas ensaiadas, quero vê se o seu parceiro, o amor é bom de jogada. Não assuste se eu jogar sua esperança no buraco em desarma seus sinais ensaiados, você não será palha para mim! Desafio você entrar no tabuleiro da minha vida.
   Irei trucar você em todas as suas argumentações, se estiver blefando, irei perceber meu bem. Você disse que está apaixonada, mas na verdade você joga com o amor. Suas jogadas mudam constantemente, não entendo os sinais que você usa com o seu parceiro, sua psicologia é mais forte, hipnotizam-me e perco a jogada. Você ficará louca, quando viajarmos pelas jogadas  malucas, por grandes partidas, quando quero dá cartada final, você manipula minha jogada fazendo eu cai em uma tremenda roubada. Esperta você! Mas não se iluda, pois, ainda não saquei os meus truques, esta é minha vez de faze – lá perder a jogada, irei dar a você o que merece; um xeque-mate! Ou dançaremos um Rock no tabuleiro ou vai se acovarda?! Pensava que era boa em estratégia. Vou pegar mais leve contigo meu bem, venha jogar uma partida de poker, quem sabe você aprende a apostar em alguém certo. Minha joga já é ensaiada, não se anima, pois já perdeu mais uma jogada! Tenho em minhas mãos um Straight Flush.
   Quer continuar? Aposto tudo o que você quiser, mas lembre-se eu não vou aquietar-me, estou com sorte, com muita sorte. Deixo a donzela o pedido de retirar-se ou vai me encarar? O que está fazendo? O que é isso? Nunca vi este jogo? Como assim? Jogo do amor?  Você este tempo todo sabia de minhas jogadas, blefes e não disse-me nada! Não sei como chamá-la, aprendeu isso com seu parceiro canalha! Realmente você sabe jogar, tirou-me todas as minhas jogadas, minhas cartadas. Estou desarmado, completamente dominado por sua jogada simples e enigmática. Não quero jogar o seu jogo, rendo-me a sua sorte ao seu amor.  Basta-me da sua frieza em lidar com a minha mera euforia, minha sorte bandida. Mas não irei desistir, tenho minha ultima cartada, um ás de espada que trucarei o seu rei de coração. Jamais renderei aos seus caprichos, eu venci mais uma vez e vejo o seu semblante desmoronou como um castelo de cartas. Baby não tem sorte no amor, muito menos em suas jogadas, dependeste mais do seu parceiro morto, pois sua sorte é um blefe! Quer tentar me amar? Então saiba jogar o jogo do amor.